Alguns esclarecimentos sobre a situação atual da editora SSPG

Em janeiro de 2010 descrevi em detalhes neste blog a situação da edição brasileira da série “Perry Rhodan”, que encontra-se paralisada desde o início de 2007. Naquela ocasião informei aos fãs da série que estávamos apenas aguardando a liberação de um empréstimo para que pudéssemos voltar a publicar novos volumes da série, e que tal liberação estava dependendo da conclusão de uma ação judicial. Como já se passou quase um ano e meio desde aquela postagem, gostaria de fazer alguns breves comentários sobre a situação atual da editora SSPG:

– Continuamos vendendo nosso estoque dos volumes lançados entre 2001 e 2007 (episódios 650 a 847), o que tem permitido que a editora continue funcionando, embora numa escala bastante reduzida.

– Continuamos acompanhando os detalhes jurídicos da liberação do empréstimo, e atualmente podemos dizer que há uma chance muito elevada de que tal liberação ocorra ainda em 2011. Se isso se confirmar, é altamente provável que a editora volte a publicar novos volumes da série no início de 2012.

–  Continuamos plenamente comprometidos com a publicação da série “Perry Rhodan” em língua portuguesa, e estamos firmemente convencidos de que a experiência adquirida nos últimos anos será de fundamental importância para o sucesso desta nova etapa da série no Brasil.

Gostaria de finalizar ressaltando que, assim que estivermos em condições de reativar plenamente a editora, faremos um comunicado oficial a esse respeito tanto neste blog como no site oficial da edição brasileira da série (www.perry-rhodan.com.br).

Anúncios

12 Respostas to “Alguns esclarecimentos sobre a situação atual da editora SSPG”

  1. Kent Hare Says:

    Wow, Cesar, I didn’t realize that (at least as I “read” your post as translated by my web browser) you guys in Brazil are not getting Perry Rhodan currently published either! That’s a shame. – Kent

  2. César Maciel Says:

    Yes, the new Brazilian edition (from #650 on) has been on hiatus since January 2007. However, it’s very likely that it’ll be resumed sometime next year (2012). Let’s keep our fingers crossed!

  3. Delgado Says:

    Tenho certeza de que todos os que acompanharam a edição da SSPG estão torcendo e aguardando ansiosos pelo retorno da publicação.
    Com certeza as experiências passadas, erros e acertos, sugestões, etc…são uma valiosa e inestimável ajuda no planejamento e condução de uma nova tentativa, e que pode dar bons frutos.
    Espero que tudo transcorra bem, e que no início de 2012 possamos ter a série impressa novamente.
    Só gostaria que me esclarecesse algúmas dúvidas, se possível: no caso do retorno da publicação, ela seria nos mesmos moldes da anterior? Em termos de formato dos livros, acabamento, periodicidade, etc…?
    Obrigado.

  4. César Maciel Says:

    Sim, a publicação será nos mesmos moldes da anterior. Só que desta vez pretendemos melhorar a divulgação e a distribuição dos livros, que sempre foram os pontos mais críticos de todo o projeto.

    Delgado, muito obrigado pelas palavras de incentivo e parabéns pelo seu blog, que está cada vez melhor!

  5. Paulo C. Says:

    Na Alemanha o preço é de 1,26 euros cada. No Brasil querem
    20,00; Aí está o porque de Perry Rhodan não conseguir seguir em frente no Brasil; eu não conseguiria pagar tal preço;
    Que tal pensar em fazer com papel de menor qualidade, até mesmo em livros de bolso?
    Cinco reais talvez fosse um preço realizável!
    É pena, mas parece que não vou ler mais Perry Rhodan em português…..

  6. Delgado Says:

    Na Alemanha o preço é de 1,95 euro o exemplar. Eles tem uma estrutura e uma tiragem que permite isso.
    No Brasil, a edição da SSPG era dupla, ou seja, um volume com dois episódios, e em excelente papel e acabamento.
    A questão de se fazer uma publicação em papel de baixa qualidade a fim de baratear custos já foi explicada pelo César, e isso não teria um impacto significativo no Brasil, pois para isso dar certo teria de haver uma tiragem muito alta para a realidade do número de compradores brasileiros, entre outras coisas. E isso não se resume só à série. O preço praticado pela SSPG não era diferente do de livros de mesmo tamanho e formato comercializados no país.

  7. César Maciel Says:

    Paulo, periodicamente ouvimos reclamações semelhantes à sua… Porém a origem do problema, como explicado pelo Delgado, não é a qualidade do papel ou o formato dos livros, e sim a tiragem: enquanto a edição alemã tem uma tiragem de 102.000 exemplares por episódio e a antiga editora brasileira lançava 15.000 exemplares por semana, nossa edição nunca passou dos 1.000/1.500 exemplares… Com uma tiragem tão baixa, é muito difícil oferecer um preço mais razoável aos leitores.

    É importante salientar que sua comparação de preços está incorreta, já que você comparou o preço de um episódio eletrônico alemão com o de um volume duplo impresso brasileiro. A comparação mais correta seria entre um volume duplo impresso alemão (3,90 euros) e um volume duplo impresso brasileiro (R$ 19,90 mais despesas de envio), o que demonstraria que cada história publicada pela SSPG é aproximadamente duas vezes e meia mais cara que um “Heftroman” original da série.

  8. Marcos Says:

    Independente do erro na comparação, é fato incontestável que no Brasil tudo custa mais caro, apesar da renda ser muito menor do que nos países do 1º mundo. As explicações são muitas, desde os altos impostos, custos trabalhistas, até a tiragem menor, mas não deixa de ser chamativo que aqui pagamos 3 a 4X mais pelo mesmo produto. Todavia, acredito muito que a SSPG tenha aprendido algumas lições e não irá repeti-las. Torço para o retorno das edições e desde já estou comprometido com a assinatura, independente do preço.

  9. Anderson Moscarelli Says:

    Boa noite. Fui participante da lista de espera e cheguei a assinar a serie quando ela retornou pelas ações extraordinárias da SSPG. Na atualidade não sou assinante, mas tenho muito interesse em retornar. Mas hoje inclusive tenho e acredito não ser o único, problemas para armazenamento, manter uma coleção tão volumosa quanto é Perry Rhodan é complicadíssimo. Meu ponto é que de 2001 a 2007 e até mesmo de 2007 a 2011, evoluímos muito em termos de tecnologia, questiono aqui se não seria a hora de a SSPG investir em uma edição eletrônica. Temos a realidade dos tablets que é inegável e uma marcha inexorável, que inclusive resolveria o problema da qualidade do papel e de distribuição. claro que prefiro o livro na prateleira e o toque do papel na mão ( até a data de hoje e acho que nos próximos 5 anos não teremos nada que revolucione isto, o tablet não conseguirá dar a mesma experiencia do livro real. Mas ele proporciona ( assim como telefones) a capacidade de armazenamento enorme e possibilidade de leitura a qualquer momento. Por exempolo alguém ja publicou no 4Shared quase toda a serie antiga em formato pdf.
    Minha real vontade e a de realmente ler as histórias em português então creio que a sugestão é valida.
    Claro, tem o problema de sair copiando e distribuindo, mas se derem uma verificada no aplicativo da livraria saraiva (saraiva.com.br) verão que alguns livros não podem ser feitos download, estando confinados no aplicativo e você só tem acesso ao livro se tiver feito download da livraria e que só vai liberar o download se você pagou etc etc etc tal. É uma sugestão, poderiam seguir por esta linha, abrindo uma forma de comercialização que abrangeria qualquer pais de língua portuguesa o que resolveria também o problema da tiragem. Quem sabe não alavancaria a venda da serie impressa?
    Fica aqui a sugestão.
    Grato pelo trabalho até então realizado e pela luta ( devia ter agradecido 10 anos atras hehe desculpe)

  10. César Maciel Says:

    Anderson, muito obrigado pelos seus comentários. Realmente a tecnologia evoluiu muito nos últimos dez anos, e temos planos de oferecer versões digitais dos livros assim que a série voltar a ser publicada. Na Alemanha as vendas da edição digital da série estão crescendo ano a ano, e acreditamos que o mesmo ocorrerá no Brasil se oferecermos esta opção aos leitores.

  11. Rodrigo T. Says:

    Uma grande sacada seria começar a vender como Ebooks, que em geral são 50% mais baratos que os livros, e com a onda dos tablets anda bem confortável. Sem falar que não precisa ter estoque dos livros, pode-se vender fácil pela internet, e pra quem compra simplesmente não embolora mais na prateleira… 😉

    Sabe me dizer como contatar o Arlindo San do projeto de digitalização dos antigos da ediouro?

    Falando nisso, andei vendo que na Alemanha eles consideram que este tipo de trabalho é divulgação e não pirataria e aceitam numa boa. Aqui, a SSPG tem a mesma posição?

    Abraço!

  12. César Maciel Says:

    Rodrigo, infelizmente ainda não é possível manter uma edição somente em formato digital no Brasil, e é por isso que ela conviverá com a edição tradicional, de papel, assim que voltarmos a publicar a série.

    Em relação ao Arlindo, tente entrar em contato com ele através da comunidade da série no Orkut, onde ele faz algumas postagens de vez em quando (o endereço da comunidade está na página inicial do blog).

    Em relação ao trabalho do Arlindo, acho que você se equivocou, pois a editora alemã não aprova de forma alguma a pirataria dos livros. É por isso que ela lançou toda a série em formato digital em 2011, para que os fãs tenham a opção de adquirir as versões digitais oficiais dos livros. Embora a SSPG entenda a motivação por trás do trabalho do Arlindo, como editores da série devemos seguir a posição oficial da VPM…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: