O início da “terceira época” da série “Perry Rhodan Neo”

30 de junho de 2017

Desde 30 de setembro de 2011 tem sido publicada na Alemanha a série “Perry Rhodan Neo”, uma recriação modernizada da série “Perry Rhodan”. Ela é publicada quinzenalmente em três formatos (livro de bolso, livro eletrônico e audiolivro) e tem o seguinte subtítulo: “O futuro recomeça”. A série aborda temas atuais (superpopulação, catástrofes ecológicas, fanatismo político e religioso, etc.) e tenta desenvolver seus personagens de forma realista e multifacetada, aproximando-os mais da realidade vivida pelos leitores do século XXI. Como cada livro de bolso de “Neo” tem aproximadamente o dobro de páginas de cada episódio da série clássica, suas histórias também são mais detalhadas.

“Perry Rhodan Neo” foi concebida para ter apenas oito episódios, mas devido à boa aceitação dos leitores ela acabou tornando-se permanente, de forma análoga ao que aconteceu nos anos 60 com a própria série “Perry Rhodan”, que foi concebida originalmente para ter apenas entre trinta e cinquenta episódios. Dessa forma ela se tornou uma alternativa à série tradicional, especialmente para os leitores mais jovens, que preferem a simplicidade do “neoverso” à imensa complexidade da série tradicional, que já tem quase três mil episódios.

A história de “Neo” começa no ano 2036, quando o major Perry Rhodan, comandante da nave Stardust, encontra uma nave arcônida avariada na Lua. Os primeiros episódios da série são bem semelhantes ao início da série clássica de “Perry Rhodan”, porém atualizam todo o cenário político e tecnológico que serve de pano de fundo para a trama principal. Contudo, à medida em que a história avança, ela começa a divergir significativamente da série clássica, o que proporciona algumas surpresas bastante interessantes para os leitores de longa data da série.

Em 16 de junho de 2017 foi publicado o episódio 150 de “Perry Rhodan Neo”, intitulado “Salto para Andrômeda”. Este episódio, que narra a viagem da nave Fernão de Magalhães à galáxia Andrômeda, é o início da “terceira época” da série, marcada pelo avanço da Humanidade para outras galáxias. Embora o episódio 150 ainda faça parte do ciclo “Meteora”, ele foi concebido para ser uma ponte entre este ciclo e o ciclo “A Segunda Galáxia”, que começa oficialmente no episódio 151.

Neo150

Enquanto os ciclos da série “Perry Rhodan” normalmente têm cinquenta ou cem episódios, os de “Perry Rhodan Neo” são bem mais curtos, sendo compostos normalmente por apenas oito, dez ou doze episódios, o que torna cada ciclo bem mais objetivo e dinâmico. A lista abaixo contém os nomes dos ciclos publicados até agora, bem como os autores responsáveis pelo seu planejamento:

– “Primeira época”, de 2036 a 2037 (coordenador-geral: Frank Borsch)

1) Visão Terrânia (episódios 1 a 8)
2) Expedição a Vega (episódios 9 a 16)
3) O Enigma Galático (episódios 17 a 24)
4) Avanço para Árcon (episódios 25 a 36)
5) O Grande Império (episódios 37 a 48)
6) Árcon (episódios 49 a 60)
7) Epetran (episódios 61 a 72)
8) Protetorado Terra (episódios 73 a 84)
9) Campo de Batalha Terra (episódios 85 a 100)

– “Segunda época”, de 2049 a 2051 (coordenadores-gerais: Rüdiger Schäfer e Michael H. Buchholz)

10) Os Metanitas (episódios 101 a 110)
11) Os Pos-Bis (episódios 111 a 120)
12) O Fim de Árcon (episódios 121 a 130)
13) Os Senhores dos Sóis (episódios 131 a 140)
14) Meteora (episódios 141 a 150)

– “Terceira época”, a partir de 2055 (coordenadores-gerais: Rüdiger Schäfer e Rainer Schorm)

15) A Segunda Galáxia (episódios 151 a 160)

Todas as capas de “Perry Rhodan Neo” são de autoria do renomado artista alemão Dirk Schulz, que também é um dos capistas da série clássica de “Perry Rhodan”. Suas capas, que são bastante variadas e expressivas, estão disponíveis nos seguintes endereços:

www.perrypedia.proc.org/wiki/Titelbildgalerie_Perry_Rhodan_Neo_1_-_99 (capas dos episódios 1 a 100)
www.perrypedia.proc.org/wiki/Titelbildgalerie_Perry_Rhodan_Neo_100_-_199 (capas a partir do episódio 101)

“Perry Rhodan Terminus”, a nova minissérie de PR

31 de maio de 2017

Em 21 de abril de 2017 começou a ser publicada na Alemanha a minissérie “Perry Rhodan Terminus”. Concebida pelo escritor Uwe Anton, um dos principais membros da equipe de autores da série “Perry Rhodan”, esta minissérie terá doze episódios, será publicada quinzenalmente e contará uma história independente, porém ligada tematicamente ao universo rhodaniano. O primeiro episódio da série se chama “Os Saltadores Temporais” e foi escrito pelo próprio Uwe Anton.

PR_Terminus01

A história de “Terminus” começa no ano 1523 do Novo Calendário Galático, quando um grupo de arqueólogos faz uma surpreendente descoberta num planetóide do Cinturão de Kuiper, situado nas orlas exteriores do Sistema Solar: nove obeliscos flutuam no ar rarefeito do planetóide, formando um círculo. E, para a surpresa dos cientistas, eles não projetam nenhuma sombra, nem mesmo quando fortes fontes de luz são colocadas perto deles. Perry Rhodan é chamado para ajudar a resolver o mistério, e ao aproximar-se dos obeliscos percebe claramente o que eles são: há mais de 1.500 anos ele havia encontrado-se com os cynos, seres que conseguiam mudar de forma e que influenciavam secretamente o destino da Via Láctea através de seu “Império Secreto”. Apesar de sua verdadeira aparência ser um mistério, quando morriam os cynos transformavam-se em obeliscos que não projetavam sombras… Fascinado pela descoberta, Rhodan toca um dos obeliscos, porém no mesmo instante percebe o erro que cometeu: ele começa uma inesperada “viagem mental” até o ano 3430, quando a Coalizão Antiterrana, formada por três grandes impérios estelares humanos, preparava-se para atacar o Sistema Solar, o que poderia dar início a uma guerra civil galática sem precedentes… Durante a viagem ele testemunha como a ativação do campo de alternância antitemporal transformou dois agentes do Império Dabrifa em “saltadores temporais”, que começam a deslocar-se para o passado e o futuro. Como os livros de história nunca registraram a existência desses agentes, Rhodan percebe que sua involuntária viagem virtual ao ano 3430 poderia revelar alguns surpreendentes segredos do passado da Via Láctea…

Assim como as minisséries anteriores (“Perry Rhodan Stardust”, “Perry Rhodan Árcon” e “Perry Rhodan Júpiter”) e a própria série principal de “Perry Rhodan”, “Perry Rhodan Terminus” está sendo publicada em três formatos: livro tradicional, livro eletrônico e audiolivro. Devido ao sucesso das minisséries anteriores, é provável que a partir de agora novas minisséries sejam publicadas regularmente, ou seja, pelo menos uma vez por ano.

A publicação das apresentações dos ciclos mais recentes de PR pela SSPG

27 de abril de 2017

Em 1985, poucos meses após conhecer a série “Perry Rhodan”, tive a grata surpresa de poder ler uma apresentação de um ciclo futuro da série nos episódios 258 e 259 da edição brasileira, que publicaram uma visão geral do ciclo “A Armada Infinita” (episódios 1100 a 1199). Na época foi absolutamente fascinante saber um pouco mais sobre o futuro da série, que naquele momento parecia extremamente distante de nós, brasileiros… Enquanto no Brasil o Administrador-Geral Perry Rhodan avançava até a galáxia Andrômeda com sua nave-capitânia Crest III no ano 2404, na Alemanha a Frota Galática, comandada pela gigantesca nave Base, defrontava-se com a misteriosa Armada Infinita nas proximidades do Rubi de Gelo no ano 426 do Novo Calendário Galático… Li e reli esta apresentação inúmeras vezes tentando imaginar todos os detalhes do ciclo, que parecia ser grandioso e misterioso ao mesmo tempo… Quase trinta anos depois descobri que o texto havia sido escrito pelo próprio William Voltz em 1982 para divulgar o lançamento do ciclo na Alemanha, o que explica boa parte do “sense of wonder” que senti…

Em 2001, quando a editora SSPG começou a publicar a série novamente no Brasil após um hiato de dez anos, propus ao editor-chefe Rodrigo de Lélis a publicação periódica de apresentações dos ciclos mais recentes da série na Alemanha, pois imaginei que esses suplementos poderiam ser interessantes para muitos leitores. Dessa forma ao longo dos anos a SSPG publicou as apresentações (ou resumos mais completos, em alguns casos) de todos os ciclos que foram lançados na Alemanha a partir de 2001:

– Ciclo 32: “O Reino Tradom” (episódios 2100 a 2199) – Apresentação publicada em 2002 no episódio 662 da edição brasileira
– Ciclo 33: “O Oceano Estelar” (episódios 2200 a 2299) – Apresentação publicada em 2003 no episódio 706 da edição brasileira
– Ciclo 34: “Terranova” (episódios 2300 a 2399) – Apresentação publicada em 2006 no episódio 834 da edição brasileira
– Ciclo 35: “A Negasfera” (episódios 2400 a 2499) – Apresentação publicada em 2015 no episódio 862 da edição brasileira
– Ciclo 36: “Stardust” (episódios 2500 a 2599) – Apresentação publicada em 2015 no episódio 868 da edição brasileira
– Ciclo 37: “Neuroverso” (episódios 2600 a 2699) – Apresentação publicada em 2015 no episódio 874 da edição brasileira
– Ciclo 38: “O Tribunal Atópico” (episódios 2700 a 2799) – Apresentação publicada em 2016 no episódio 886 da edição brasileira
– Ciclo 39: “Os Domínios Intemporais” – Primeira parte (episódios 2800 a 2849) – Apresentação publicada em 2016 no episódio 894 da edição brasileira
– Ciclo 39: “Os Domínios Intemporais” – Segunda parte (episódios 2850 a 2874) – Apresentação publicada em 2017 no episódio 910 da edição brasileira
– Ciclo 40: “O Mausoléu Estelar” (episódios 2875 a 2899) – Apresentação publicada em 2017 no episódio 916 da edição brasileira

Com a publicação da apresentação do ciclo 40 no episódio 916, que será lançado em 20 de maio de 2017, os leitores brasileiros estarão de certa forma bem “próximos” da edição alemã, já que o episódio 2899 da série, que finalizou o ciclo “O Mausoléu Estelar”, foi publicado na Alemanha em 10 de março de 2017.

As apresentações dos ciclos 32 a 35, bem como resumos de quase todos os ciclos anteriores, estão disponíveis em meu diretório virtual. Já as apresentações dos ciclos 36 a 40 só estão disponíveis por enquanto nos episódios da edição brasileira da série, que podem ser adquiridos através do site da editora SSPG (www.perry-rhodan.com.br).

Maiores informações sobre essas apresentações encontram-se disponíveis na seguinte postagem do blog:

www.cesarmaciel.wordpress.com/2015/02/28/a-reinicio-da-publicacao-das-apresentacoes-dos-ciclos-mais-recentes-de-pr-pela-sspg

Informações sobre o episódio 2900 e o novo ciclo de PR, “Gênese”

30 de março de 2017

Em 17 de março de 2017 foi publicado na Alemanha o episódio 2900 da série “Perry Rhodan”, intitulado “A Herança Cósmica”. Esta história, escrita pela autora Verena Themsen, deu início ao ciclo “Gênese” (episódios 2900 a 2999), cujos acontecimentos terão um impacto significativo no altamente aguardado episódio 3000, que será publicado no início de 2019. Ao contrário dos ciclos anteriores, o ciclo “Gênese” não tem uma ligação direta com os ciclos precedentes, já que toda a temática envolvendo o Tribunal Atópico e os tiuphores foi encerrada até o episódio 2899. Antes do lançamento do volume a VPM divulgou uma breve apresentação dos acontecimentos iniciais do ciclo:

Na Terra registra-se o ano 1551 do Novo Calendário Galático, equivalente ao ano 5138 do antigo calendário. Após grandes mudanças e transformações, a situação na Via Láctea estabilizou-se novamente, e de forma geral reina a paz entre os principais povos da galáxia. A Liga dos Terranos Livres deu origem à Liga dos Galáticos Livres, o que ampliou significativamente o número de mundos associados e sua respectiva área de influência. A antiga visão de Perry Rhodan, de transformar a Via Láctea numa zona livre de conflitos, lentamente parece estar se tornando realidade. Porém subitamente surgem visitantes de uma galáxia distante que desejam iniciar um contato diplomático com os povos da galáxia. Para tentar identificar as reais intenções desses seres, que parecem ter alguma ligação com o passado da Via Láctea, Perry Rhodan e seus companheiros viajam com a nave de longa distância Ras Tschubai até a galáxia NGC 4622, dominada pelo Império Dourado. Porém os terranos logo descobrem que sua viagem havia dado início a uma série de acontecimentos que teria consequências imprevisíveis para o futuro da Via Láctea…

Umlaufcover_2900

“A Luta pela SOL”, a nova trilogia em quadrinhos de PR

28 de fevereiro de 2017

Entre outubro de 2015 e março de 2016 foi publicada na Alemanha a trilogia em quadrinhos “Os Cartógrafos do Infinito”, cujas histórias se passaram no período do ciclo “Afilia” (episódios 700 a 799). Na época algumas informações sobre esta trilogia foram divulgadas aos fãs brasileiros de “Perry Rhodan” na seguinte postagem do blog:

www.cesarmaciel.wordpress.com/2015/10/31/os-cartografos-do-infinito-os-novos-quadrinhos-de-pr

Após um hiato de quase um ano, a editora Cross Cult anunciou que dará continuidade à história de “Os Cartógrafos do Infinito” em uma nova trilogia, que se chamará “A Luta pela SOL” e será publicada ao longo de 2017. Cada história terá 36 páginas e custará 5,99 euros, sendo que a primeira delas foi publicada no final de janeiro de 2017.

PerryRhodanComic4_Umschlag.indd

Capa da primeira parte da trilogia “A Luta pela SOL”

Assim como a primeira trilogia, “A Luta pela SOL” foi escrita por Kai Hirdt, desenhada por Marco Castiello e colorida por Michael Atiyeh. Porém as capas de suas três histórias terão uma peculiaridade que somente poderá ser apreciada pelos fãs mais atentos: elas formarão uma única imagem quando colocadas lado a lado, o que certamente será um grande incentivo para os colecionadores de todos os produtos relacionados à série “Perry Rhodan”.

comic_04_2_copyright

Versão preliminar das capas da trilogia “A Luta pela SOL”

Maiores informações sobre “A Luta pela SOL” estão disponíveis (em alemão) na seguinte página do site oficial da editora Cross Cult:

www.cross-cult.de/titel/perry-rhodan-4.html

O projeto de leitura da edição alemã de PR

31 de janeiro de 2017

Em 5 de janeiro de 2017 o fã alemão Martin Ingenhoven começou um projeto audacioso: ler toda a série “Perry Rhodan” desde o primeiro episódio, “Missão Stardust”. Ele teve esta ideia após receber os episódios 1 a 2600 de outro fã da série, que queria doar seus livros para alguém que pudesse conservá-los. No primeiro mês do projeto Martin já leu mais de trinta histórias, e segundo suas próprias estimativas ele espera passar pelo menos os próximos dez anos totalmente imerso no universo ficcional da maior série de ficção científica do mundo…

Após a leitura de cada episódio Martin posta suas impressões em seu blog, que são sempre bastante interessantes. Porém ele não escreve resenhas das histórias, já que seu interesse principal consiste em relatar os detalhes da experiência de ler toda a série desde o início… Dessa forma ele faz comentários sobre trechos curiosos das histórias, especialmente aqueles que refletem a visão de futuro dos anos sessenta, bem como sobre o processo de organização, armazenamento e conservação de uma coleção tão grande.

ingenhoven

Martin Ingenhoven e sua coleção

O blog do Martin, que se chama “Heftehaufen” (“Pilha de Livrinhos”), encontra-se disponível no seguinte endereço:

www.heftehaufen.blogspot.de

Como o blog está em alemão, os fãs brasileiros podem tentar lê-lo com a ajuda de serviços de tradução automática, como o tradutor do Google.

Curiosamente a iniciativa do Martin não é inédita, já que em 2011 o fã norte-americano Kent Hare tentou fazer o mesmo com a edição em inglês da série… Maiores informações sobre este outro projeto de leitura encontram-se disponíveis na seguinte postagem do blog:

www.cesarmaciel.wordpress.com/2011/02/28/o-projeto-de-leitura-da-edicao-norte-americana-de-pr

A publicação de um artigo sobre PR na revista britânica “SFX”

31 de dezembro de 2016

A “SFX” é uma das mais importantes revistas dedicadas à ficção científica e à fantasia em língua inglesa. Publicada mensalmente desde 1995, ela procura cobrir os lançamentos da área em diversas mídias, como cinema, televisão, jogos eletrônicos, histórias em quadrinhos e literatura. Na edição de maio de 2016 da revista foi publicado um interessante artigo sobre a série “Perry Rhodan”, que apresenta sua premissa e diversas curiosidades sobre sua produção. Escrito por David Barnett no intuito de apresentar a série para os fãs de ficção científica de língua inglesa que ainda não a conhecem, ele descreve o histórico e as características principais da série, mostrando suas similaridades e diferenças em relação a várias outras séries no estilo “space opera” mais conhecidas pelo público em geral.

390_thumb_1

Capa da edição de maio de 2016 da revista “SFX”

O artigo também apresenta algumas curiosidades bastante interessantes para os fãs da série, como as seguintes:

– A editora alemã VPM considera que o sucesso da série provém de dois itens básicos: serialização e familiaridade. Ela também acha que a missão dos autores é criar o chamado “sense of wonder”, ou seja, a “sensação do maravilhoso”, um dos componentes principais de toda boa história de ficção científica, que ocorre quando o leitor encontra-se diante de algo que seja belo e inesperado ao mesmo tempo.

– Anualmente são vendidos 3,2 milhões de exemplares da série principal, 400.000 da série “Perry Rhodan Neo” e 210.000 “volumes de prata”, compilações revisadas das histórias. A cada ano também são vendidos cerca de um milhão de “e-books” de “Perry Rhodan”, e todos esses números demonstram que a série é um grande fenômeno editorial nos países de língua alemã. Contudo, ela é praticamente desconhecida nos países de língua inglesa, onde foi publicada de forma periódica apenas entre 1969 e 1979.

sfx-on-perryrhodan-page-1-small

sfx-on-perryrhodan-page-2-small

Alguns trechos comentados do artigo estão disponíveis (em inglês) no site da revista “Black Gate”, especializada em literatura fantástica:

www.blackgate.com/2016/06/16/science-fictions-unsung-hero-sfx-on-perry-rhodan

“Perry Rhodan Júpiter”, a nova minissérie de PR

30 de novembro de 2016

Em 2011 foi publicado na Alemanha o livro “Júpiter”, escrito pelos autores Wim Vandemaan, Hubert Haensel e Christian Montillon. Este livro, que contou uma história autocontida ambientada no universo da série “Perry Rhodan”, teve nada menos do que 1.008 páginas, tornando-se assim a maior história individual rhodaniana já publicada.

pr-tb-jupiter01

Devido à boa receptividade do livro, em 2016 a redação da série “Perry Rhodan” decidiu transformá-lo numa minissérie de doze volumes, que começaram a ser publicados quinzenalmente em 8 de julho de 2016. O primeiro episódio da série se chama “A Morte Cristalina” e foi escrito por Wim Vandemaan e Kai Hirdt, um dos autores da série “Perry Rhodan Neo”. Porém esta minissérie não é apenas uma republicação do conteúdo do livro, pois contém vários trechos e capítulos adicionais, além de algumas subtramas inéditas. O responsável pela criação de boa parte deste material inédito foi o autor Kai Hirdt, que dessa forma acabou tornando-se coautor de vários volumes da minissérie.

pr_jupiter01

A história de “Júpiter” começa no ano 1461 do Novo Calendário Galático, com o surgimento de uma nova droga no Sistema Solar: Tau 8, que confere capacidades sobre-humanas aos seus usuários. Porém seu uso contínuo leva inexoravelmente à morte… Seguindo a pista de sua criação, Perry Rhodan chega a Ganimede, a maior lua de Júpiter, onde ele descobre que a matéria-prima da droga estava sendo extraída diretamente da atmosfera do planeta gigante. Logo Rhodan percebe que Tau 8 era apenas o prenúncio de uma ameaça ainda maior, que acabaria colocando em risco todo o Sistema Solar…

Assim como as minisséries anteriores (“Perry Rhodan Stardust” e “Perry Rhodan Árcon”) e a própria série principal de “Perry Rhodan”, “Perry Rhodan Júpiter” está sendo publicada em três formatos: livro tradicional, livro eletrônico e audiolivro. Devido ao sucesso das minisséries, a editora VPM afirmou recentemente que pretende publicá-las regularmente, lançando uma nova minissérie de doze episódios pelo menos uma vez por ano.

Informações sobre o episódio 2875 e o novo ciclo de PR, “O Mausoléu Estelar”

31 de outubro de 2016

Em 23 de setembro de 2016 foi publicado na Alemanha o episódio 2875 da série “Perry Rhodan”, intitulado “A Galáxia Congelada”. Esta história, escrita pelo autor Christian Montillon, deu início ao ciclo “O Mausoléu Estelar” (episódios 2875 a 2899), que é o primeiro miniciclo da série após um longo período de ciclos de cem episódios. O ciclo anterior, “O Espaço Atemporal” (episódios 2800 a 2874), resolveu toda a temática iniciada no ciclo “O Tribunal Atópico” (episódios 2700 a 2799), e neste miniciclo serão revelados alguns mistérios ligados aos tiuphores, uma raça surgida no episódio 2800. Antes do lançamento do volume a VPM divulgou uma breve apresentação dos acontecimentos iniciais do miniciclo:

Em janeiro de 1519 do Novo Calendário Galático (NCG) o destino da Humanidade encontra-se no fio da navalha: os tiuphores, uma raça guerreira, viajaram do passado para o presente através da Fenda Temporal, uma anomalia energética que atravessa boa parte da Via Láctea. Eles envolvem toda a galáxia em sua campanha de destruição, e seu objetivo principal é matar seres vivos para coletar suas consciências, algo que parece completamente ilógico aos olhos dos terranos e dos demais povos da galáxia.

No Sistema Solar ocorre uma batalha decisiva entre as naves dos tiuphores e as forças dos terranos e de seus aliados. Contudo praticamente no último segundo outros tiuphores entram na batalha – porém vindos não do passado, e sim do presente, da distante galáxia Orpleyd. Eles enviam o “chamado da união” para seus semelhantes, o que acaba subitamente com a batalha. Dessa forma o Sistema Solar é salvo no último instante, e todos os tiuphores abandonam a Via Láctea. Porém eles deixam para trás uma galáxia devastada, que levará várias décadas para recuperar-se completamente.

A Humanidade precisou pagar um alto preço pela sua salvação: em um ato desesperado para salvar o Sistema Solar, Perry Rhodan sacrificou sua própria vida e se tornou mais uma consciência armazenada nos cristais sextadim das naves tiuphores. É nesse estado imaterial que ele começa a longa viagem a Orpleyd, a “galáxia congelada”. Inúmeras civilizações vivem nesta galáxia, situada a 131 milhões de anos-luz da Via Láctea. E logo Perry Rhodan descobrirá que Orpleyd guarda um segredo que poderá ter consequências devastadoras para a Terra e o futuro da Humanidade…

2875tibi

A edição brasileira de um marco da série PR: o episódio 900, “Laire”

30 de setembro de 2016

Em 20 de setembro de 2016 a editora SSPG publicou “Laire”, o episódio 900 da série “Perry Rhodan”. A publicação desta história, a primeira do ciclo “Os Castelos Cósmicos”, é um marco para a edição brasileira da série, já que na época de seu lançamento original na Alemanha, em 1978, ela foi considerada uma das melhores histórias já escritas de “Perry Rhodan” até então. De autoria de William Voltz, considerado até hoje o melhor autor da série, este livro narrou a incrível história de Laire, o robô esquecido dos “Sete Poderosos”.

Capa do episódio 900, "Laire"

Capa do episódio 900, “Laire”

Em 2003, numa votação organizada pela editora alemã HJB, os fãs alemães, austríacos e suíços da série classificaram “Laire” como a décima terceira melhor história rhodaniana publicada até aquele momento, quando a série se aproximava do episódio 2200. O resultado completo da votação foi o seguinte:

1) 1000 – “O Terrano”, de William Voltz
2) 50 – “Atlan, o Solitário do Tempo”, de K.H. Scheer
3) 200 – “A Rota Para Andrômeda”, de K.H. Scheer
4) 2000 – “Aquilo”, de Robert Feldhoff e Ernst Vlcek
5) 850 – “Bardioc”, de William Voltz
6) 1 – “Missão Stardust”, de K.H. Scheer
7) 299 – “No Fim do Poder”, de William Voltz
8) 500 – “Eles Vieram do Nada”, de K.H. Scheer
9) 74 – “O Pavor”, de William Voltz
10) 300 – “Alerta no Setor Alvorada”, de K.H. Scheer
11) 746 – “O Atemporal”, de William Voltz
12) 757 – “Mundo Sem Humanos”, de William Voltz
13) 900 – “Laire”, de William Voltz
14) 19 – “O Imortal”, de K.H. Scheer
15) 100 – “A Estrela do Destino”, de K.H. Scheer
16) 700 – “Afilia”, de Kurt Mahr
17) 800 – “A Imperatriz de Therm”, de William Voltz
18) 851 – “Pesadelo Cósmico”, de William Voltz
19) 1935 – “O Canto do Silêncio”, de Andreas Eschbach
20) 2 – “A Terceira Potência”, de Clark Darlton

Para promover o lançamento de “Laire” e divulgar o início da publicação do ciclo “Os Castelos Cósmicos”, a editora SSPG divulgou os seguintes textos:

– Apresentação do episódio 900, “Laire”:

Após diversos desafios e duros combates, Perry Rhodan e sua equipe conseguem alcançar a central de comando da nave semeadora Pan-Thau-Ra, cumprindo assim a tarefa atribuída pelo misterioso Lard. Ali, os terranos fazem uma descoberta surpreendente: o Lard não é outro senão Laire, o robô esquecido dos Poderosos. Com isso, Rhodan e seus companheiros ficam a par de uma história que eles próprios não poderiam conceber nem mesmo em seus sonhos mais ousados – a história de como Laire, em sua busca infatigável por seu olho perdido, moldou o modo de pensar e agir de uma civilização inteira e construiu um mito que perdurou por milênios a fio…

– Apresentação do ciclo “Os Castelos Cósmicos” (episódios 900 a 999), o 15º ciclo da série “Perry Rhodan”:

Para encontrar a fonte de matéria que se transformou numa ameaça devido ao mau uso da nave semeadora Pan-Thau-Ra, Perry Rhodan e seus companheiros começam a busca pelos castelos cósmicos dos sete Poderosos. Atlan inicia sua longa viagem ao encontro dos seres que vivem além das fontes de matéria. Enquanto isso, na Via Láctea, o ambicioso mutante Boyt Margor torna-se uma ameaça, e, no centro da Galáxia, uma antiga instalação dos cavaleiros das profundezas acorda para uma nova vida.

No site oficial da edição brasileira da série (www.perry-rhodan.com.br) é possível adquirir tanto a edição impressa publicada pela SSPG entre 2001 e 2007 (episódios 650 a 847) como a nova edição eletrônica, que começou a ser publicada em 2014. Mensalmente são lançados sete “e-books”, sendo três inéditos (a partir dos episódios 537 e 848) e quatro referentes a histórias já publicadas pela SSPG, porém disponíveis até então apenas na forma impressa (a partir do episódio 650).